Cuidado e Prevenção

Você sabe o que é a Dislexia?

A dislexia, segundo  o Instituto ABCD,  é um transtorno do neurodesenvolvimento que afeta habilidades básicas de leitura e linguagem. Ela é considerada um distúrbio específico de aprendizagem porque seus sintomas geralmente afetam o desempenho acadêmico de estudantes sem que haja outra alteração (neurológica, sensorial ou motora) que justifique as dificuldades observadas.

O próprio significado da palavra já diz muito: DIS = dificuldade; LEXIA = com palavras. A fonoaudióloga Luciana Rezende, do Instituto Nadja Quadros, credenciado da Geap em Brasília, explica que a dislexia se caracteriza pela confusão entre letras de formas vizinhas, letras com som semelhante, pela omissão ou adição de letras e/ou sílabas, união de uma ou mais palavras e divisão inadequada de vocábulos.

Algumas pessoas só são diagnosticadas com o distúrbio após a infância, já na adolescência ou fase adulta, porém, é possível identificar a dislexia ainda no processo de alfabetização, quando a criança apresenta dificuldades ao aprender a ler, a escrever e até a soletrar, mesmo tendo visão, audição e nível cognitivo preservados.

“O diagnóstico precoce é relevante para minimizar o impacto na vida acadêmica, na autoestima e na relação da pessoa com suas próprias dificuldades”, afirma Luciana.

Possíveis sinais

Na linguagem oral:

  • Atraso no desenvolvimento da fala;
  • problemas para formar palavras de forma correta, como trocar a ordem dos sons (popica em vez de pipoca) e confundir palavras semelhantes (umidade humanidade);
  • erros de pronúncia, incluindo trocas, omissões, substituições, adições e misturas de fonemas;
  • dificuldade para nomear letras, números e cores;
  • dificuldade em atividades de aliteração (figura de linguagem, mais precisamente uma figura de som, definida pela repetição de fonemas consonantais num enunciado. Ex.: “O rato roeu a roupa do rei de Roma”) e rima;
  • dificuldade para se expressar de forma clara.

Na leitura:

  • Dificuldade para decodificar palavras;
  • erros no reconhecimento de palavras, mesmo as mais frequentes;
  • leitura oral lenta e incorreta. Pouca fluência, com inadequações de ritmo e entonação, em relação ao esperado para a idade e a escolaridade;
  • compreensão de texto prejudicada como consequência da dificuldade de decodificação;
  • vocabulário reduzido.

Na escrita:

  • Erros de soletração e ortografia, mesmo nas palavras mais frequentes;
  • omissões, substituições e inversões de letras e/ou sílabas;
  • dificuldade na produção textual, com velocidade abaixo do esperado para a idade e a escolaridade.

A psicóloga e pós-graduanda em neuropsicologia, Júlia Leandra Soares, fala sobre o papel dos familiares e da comunidade escolar: “Os pais e professores devem estar atentos quando a criança apresenta alguns sinais, pois é muito comum que crianças com dislexia passem por preguiçosas, desatentas ou desinteressadas. E não é isso. Elas querem aprender, mas têm dificuldade.” Ela destaca que dislexia não tem a ver com inteligência.

Nesse sentido, o apoio familiar e o acompanhamento pedagógico e psicológico são fundamentais para que a criança se aceite como ela é e aprenda a conviver com a dislexia, passando pela adolescência e chegando à vida adulta sem grandes prejuízos.

Tanto Júlia como Luciana concordam que, o quanto antes houver intervenção profissional, maiores as chances de minimizar características ou mesmo permitir que o indivíduo se adapte e programe mecanismos facilitadores.

Para realizar o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) de forma justa e igualitária, por exemplo, os candidatos com o distúrbio podem solicitar atendimento especializado no período de inscrições. Algumas opções de auxílio para fazer a prova são: tempo adicional, ajuda para leitura e transcrição e provas com letras ampliadas.

Dislexia não tem cura, mas com acompanhamento e constância é possível levar uma vida normal. Geralmente, quem fecha o diagnóstico são os neurologistas ou neuropsicólogos. Pediatras também podem e devem orientar os pais sobre essa condição. O atendimento  ideal se dá por meio de equipe multidisciplinar, formada por psicopedagogos(as), psicólogos(as) e fonoaudiólogos(as). 

Related posts
Cuidado e Prevenção

Os principais sintomas da pneumonia

3 Minutos de Leitura
A pneumonia é um processo inflamatório que pode acometer um ou ambos os pulmões, geralmente causado por vírus ou bactérias, resultando no…
Cuidado e Prevenção

Dicas de como combater o colesterol alto

4 Minutos de Leitura
O colesterol LDL (conhecido como ruim) e os triglicerídeos podem se tornar vilões para a nossa saúde, caso atinjam níveis muito elevados….
Cuidado e Prevenção

Setembro Amarelo: mês de acolhimento e informação!

4 Minutos de Leitura
O Setembro Amarelo tem como objetivo principal falar sobre prevenção e conscientização a respeito do suicídio. Mas não apenas isso!  Durante todo…